ÁLCOOL X MERGULHO

O Álcool e o mergulho.

 Era um dia de férias comum de alguns amigos, foi uma festa no paraíso. Um pequeno grupo de mergulhadores estava fazendo folia na noite anterior de um curso avançado em French Pass localizado na Nova Zelândia. Um lugar mágico, com focas, golfinhos e espetacular pôr-do-sol.
As festividades foram realizadas até por volta da meia-noite, com muita alegria e alguns tragos, mas ninguém havia bebido demais, apenas o normal. Na manhã seguinte, tudo estava em seu curso até que a maré virou para o pior. O curso começou forte e os três mergulhadores mal preparados foram arrastados perigosamente em um bolsão de águas profundas. Dois corpos foram recuperados; um nunca foi encontrado.
O veredicto final: US$ 75.000 de multa cobrada sobre o centro de mergulho por não ter feito um alerta severo sobre os perigos de beber e mergulhar.

 

 “A natureza imprevisível do mergulho é onde reside o risco real”, diz o mergulhador e médico MD, Ph.D Fred Bove. “Incapacidade mental tem sido demonstrada com muito pouco álcool concentrado no sangue, cerca de 0,01 – que é menos do que um drinque comum; certamente, alguns que bebem pesado na noite anterior ainda têm álcool em seus sistemas na manhã seguinte, mas com certeza você não vai sentir-se prejudicado ou nem ao menos perceber isso”. A questão é que seu organismo não será testado na superfície, quando o mar estiver calmo e as condições ideais. “Ele será realmente testado quando você estiver em uma situação de risco lá embaixo, é ai que as coisas podem tornar-se criticas.” É por isso, diz o Dr. Bove, que 40 por cento dos acidentes fatais estão relacionados com o álcool. É também por isso que as entidades estão apertando o cerco e executando operações para uma política que diz: “Sua primeira bebida pode coincidir com o seu último mergulho.”

 

No entanto, existem ainda muitos “DiveBars” no melhor estilo mergulhadores que insistem em uma cerveja antes, durante e após os seus mergulhos. Veja que eles estão arriscando-se a cada mergulho. E o problema não é somente esse, além de arriscarem-se, arriscam as pessoas que estão mergulhando com eles, pois com certeza alguém vai querer ajudá-los em um momento crítico.

A responsabilidade.

Cientificamente, o maior risco de problema no mergulho é a deterioração do funcionamento do córtex (ACC), o centro de seu cérebro que normalmente detecta quando você fez um erro. Este erro de vigilância mental também conhecido como o “erro de resposta oops” faz com que seu sistema pare de funcionar corretamente após uma ou duas bebidas (cerca de 0,04 por cento de álcool), um nível que surpreendeu até mesmo os funcionários de investigação, diz o pesquisador da Universidade de Amesterdam  Richard Ridderinkhof, Ph.D. “Você simplesmente deixou de perceber que havia cometido um erro. Além do mais, uma vez que você tenha feito algo errado, um cérebro funcionando normalmente irá reconhecer o problema e irá ajustar o erro para que você não o faça novamente. Este pós-ajustamento do erro praticamente desapareceu após ingestão de álcool, mesmo em quantidades moderadas”, diz o Dr. Ridderinkhof. Então, se você desviou-se do seu plano de mergulho, seu cérebro não irá levantar uma bandeira vermelha, marcando assim sua visita à câmara hiperbárica ou pior.
O álcool impede quase todos os reflexos e reações que você precisa para mergulhar com segurança. Mesmo antes de a Heineken desencadear seu efeito em seu cérebro, você já estará com reflexos e reações mais lentas (opa, não irá significar que você bateu em um coral), monitoramento visual mais pobre (Aonde mesmo marquei como referência?), Redução da atenção (onde foi o barco?), e terá menos capacidade de coordenar várias tarefas (uh, inflar BC, regulador claro, verifique computador, oh, a minha cabeça… Droga, estou perdido).
Dada a confusão em seu cérebro, não é surpreendente que as pesquisas mostram que as pessoas que estão bebendo têm uma taxa de 55 por cento de prejuízo contra apenas 24 por cento dos “non-drinkers”. As conseqüências de uma noite na fanfarronice são igualmente preocupantes. As pesquisas mostram que se reduz para 11% a habilidade atlética do “suicida”.

“As pessoas cometem o erro de pensar que mergulho não é um esporte”, diz a mergulhadora Mary Ann Everhart-McDonald, MD “Mas quando você considera a energia que leva a nadar contra a corrente e realizar pesados movimentos para subir escadas, é um grande esforço e de muita intensidade tanto quanto qualquer esporte. Estar embriagado ou ter ingerido bebida reduz sua capacidade de exercício, colocando você e todos os mergulhadores em sua volta em risco. “

Quem bebe sabe que com certeza irá passar boa parte do tempo no banheiro. O álcool é um diurético. Para nós mergulhadores isso terá um outro significado, desidratação. “Desidratação não só torna mais rápido sua fadiga, mas também diminui a quantidade de sangue disponível para trocas gasosas e deixa a remoção de nitrogênio mais lenta em seu organismo, colocando você em um risco acrescido de doença descompressiva”, afirma o Dr. Everhart-McDonald. (Para entender melhor esta afirmação, leia o post anterior deste blog que trata sobre desidratação) O álcool também é um depressor do sistema nervoso central, de modo que você vai estar menos sensível a possíveis dores de uma pancada na escada ou até mesmo menos sensível aos sintomas da doença descompressiva como dores nas articulações, náuseas, fadiga, dor de cabeça e confusão.

“A desidratação, fadiga e falta de julgamento faz com que tudo no mergulho se torne tão perigoso como se você estivesse embriagado debaixo de água ou mesmo dirigindo o seu carro”, diz o Dr. Everhart-McDonald.

 

Coquetel perfeito para problemas. 
Você pode ter uma porção de problemas que nunca imaginou embaixo da água somente por ter bebido ou abusado da bebida em seus dias de mergulho, veja abaixo algumas considerações perigosas da mistura ÁLCOOL E MERGULHO.

 Doenças cardíacas.
O álcool aumenta o risco de isquemia miocárdica, uma condição em que o fluxo sanguíneo para o coração é restrito parando assim sua alimentação de oxigênio e nutrientes vitais. Quando o fluxo sanguíneo é completamente bloqueado, a isquemia pode se tornar um ataque cardíaco sem nenhum sinal de advertência. “Na água e mergulhando faz com que o coração comece a trabalhar mais”, diz o Dr. Bove. “Se você também tem colesterol elevado ou hipertensão ligeira – e vai enfrentá-lo como muitos mergulhadores fazem – você pode facilmente colocar-se em risco de um ataque cardíaco, principalmente se beber também durante a seus mergulhos.” Além do mais, a investigação mostra que basta estar com pouco álcool no sangue para elevar o seu risco de morte cardíaca.

Hipotermia.
O álcool desempenha truques engraçados na sua mente. Além de permitir que você pense ser o Pelé, bebida também faz você pensar que está mais quente do que você esta na realidade. “Beber faz seu cérebro pensar que você está sobre aquecido (agora sei da onde vinha aquela idéia de que bêbado não sente frio), de modo que dilata os vasos sanguíneos na sua pele, causando-lhe a perda uma grande quantidade de calor”, diz o Dr. Bove. “Tudo bem se você estiver pendurado para fora do bar e de cuecas com seus amigos rindo de você, mas não é se você estiver mergulhando a 30 minutos na água de 17 graus.” Agora você está em risco não só para a Hipotermia – perigosamente reduzindo a temperatura corporal – mas você é também estará aumentando um risco problemas  de DD, uma vez que hipotermia diminui o fluxo sanguíneo para o suas extremidades, retardando a remoção de nitrogênio do seu corpo.

Hipoglicemia.
O seu fígado libera menos glicose quando você bebe, aumentando o risco de hipoglicemia, ou baixo teor de açúcar no sangue, fazendo você sentir-se fraco, sonolento, confuso, tonturas e fome – um monte de sintomas que podem colocar em perigo o melhor mergulhador. “Claramente, a melhor regra a seguir é um princípio da tolerância zero”, diz o Dr. Bove. “Não deve haver álcool no dia que você for mergulhar. E se você foi à noite anterior para a gandaia, despertar e não sentir-se 100%, esqueça o mergulho. O oceano estará sempre lá. Mergulhar com esses riscos não vale apena”

 

Uma receita para festas.
Você sabe os perigos do mergulho sob a influência do álcool, mas este é o seu período de férias. Então veja como tudo deve funcionar quando rolar álcool neste período.


Dormir cedo.

Se você tem um mergulho às 8 horas da matina, você deve ir dormir antes da meia noite para descansar o necessário para o seu corpo. Caso você não consiga, pule o mergulho da manhã e faça-o a tarde.


Mix de bebidas.

Limite as suas bebidas na noite anterior para apenas dois ou três copos ou drinks. E entre eles, beba um copo de água ou suco natural, principalmente se você passar o número de 2 ou 3 copos, mas nunca permita-se ficar bêbado ou levemente alterado, se ficar, pule o mergulho do dia seguinte.


Desidratação.

Beba bastante água ou bebidas desportivas (somente gatorade) na manhã de seu mergulho para garantir que você está bem hidratado. 

Algo para comer.
Não beba ou mergulhe com o estômago vazio. Tenha um bom jantar antes de sua festa para abrandar o fluxo de álcool em seu sistema e tenha um pequeno-almoço saudável, para que você tenha abundância de energia para os próximos dias.

 

Siga essas regras e o resultado será sempre muita alegria, risadas e diversão.
Bons mergulhos a todos.
Fonte: DAN, médicos e instituições relacionadas no artigo.

 

 

 

 

 

Anúncios