DORES NAS COSTAS

Fala galera, tudo tranqüilo?
Desculpe a demora em atualizar o blog, acontece que estou montando um novo blog DiveLog, muito melhor e mais organizado do que esse. Já esta pronto e em questão de dia divulgarei o novo endereço por esse mesmo velho e querido blog.

Bom, as boas notícias dos últimos dias é que finalmente chegou dos EUA o meu computador Aeris manta. Show de bola mesmo, ainda estou aprendendo a fuçar (pela primeira vez na vida acho que li todo manual de alguma coisa). Também chegaram os livros que comprei sobre fisiologia e medicina do mergulho, muito bom também. Com certeza podem esperar vários artigos daquele livro aqui no blog.

Bom, hoje vamos falar de algo simples mas que atormenta muita gente:

DORES NAS COSTAS.

Quantos de vocês não sentem as costas reclamarem após um mergulho?
Eu mesmo que sou novo, já senti. Aliás, ao contrário do que pensamos, dores nas costas não é sinal de velhice, é sinal de que o corpo esta descuidado e precisa de ajuda rapidamente.

O que vou falar aqui hoje vale para o mergulho e com certeza para outras coisas também, mas com foco no mergulho.

Vamos lá, pense comigo.
Carregamos cerca de 20Kg de equipamentos nas costas ou mais. Vamos para a água que é um ambiente muito diferente do nosso e ficamos sustentados na horizontal durante boa parte do tempo. Claro que nossas costas recebem muito mais impacto do que de costume, fora isso quando retornamos ao barco subimos com todo aquele peso para então sentarmos e relaxarmos de vez.

Com o tempo as costas podem reclamar mesmo e a primeira dica que eu posso dar a você é: VISITEM A ACADEMIA REGULARMENTE.

A maior causa de dores nas costas é por conta da fragilidade dos músculos que nos sustentam. O corpo humano é um enorme sistema, precisamos de pernas e pés fortes para agüentar o tronco, que precisa ser forte para sustentar os órgãos, impactos, caminhadas e corridas, nossos braços também precisam ser fortes para carregarmos coisas, realizarmos movimentos, nossos pescoço que faz parte da coluna e por ai vai.

Se você quiser eliminar as dores nas costas, um bom começo é fazer uma natação junto com musculação ou musculação junto com aeróbico ou somente musculação.
Não é preciso virar nenhum Rambo Diver, apenas fortalecer suas costas para que ela agüente tudo o que você faz. É como uma conta no banco, você precisa de dinheiro na conta para passar o cartão, se não tiver vai para o vermelho, com nosso corpo é assim também, como você ousa carregar tanto peso sem antes preparar sua estrutura para tanto? Via ficar devendo e ai as dores aparecem.

Outro possível problema é a má postura, que pode ocorrer por conta de um costume errado, por longas horas em frente ao computador sem um alongamento e postura correta, longas horas dirigindo com postura errada também e outros tipos de causas.
O mais indicado nesse caso é visitar um médico, partir para a musculação e sessões de RPG para corrigir sua postura.

Existem os casos crônicos, onde as pessoas têm medo de tentar algo porque tudo dói.
Tenham coragem, visitem um médico especialista e com certeza eles vão recomendar um fortalecimento da sua musculatura, não importa a sua idade. Esta cheio de pessoas com 80 anos de idade nas academias, fazendo musculação, fortalecendo seus músculos e por conta disso não sabem mais o que é dores nas costas, artrite entre outros.
Esporte pode salvar vidas meus amigos, podem mudar vidas também e trazem qualidade. Além dos médicos, procure um profissional de educação física para que eles te ajudem e acompanhem você. Assim com o tempo vai perceber uma enorme mudança de vida na qualidade, claro que tudo isso influencia o seu mergulho, sem dores, sem incômodos.

Leiam o caso da minha queria sogra que postei a algum tempo atrás através deste link.

Grande abraço a todos e até+

Japão desiste de disfarçar a caça à baleia de “ciência”

Japão desiste de disfarçar a caça à baleia de “ciência”

AFRA BALAZINA
Enviada especial da Folha de S.Paulo a Tóquio

Perto do templo mais famoso de Tóquio, o Asakusa Kannon, uma loja chama a atenção: tem uma das paredes coberta pela pintura de uma baleia e as prateleiras estão repletas de latas de diferentes tipos –todas contém carne do maior animal marinho. Uma baleia azul de pelúcia enfeita o local, além de inúmeros suvenires desses mamíferos em miniatura.

O dono do mercadinho primeiro expulsa a curiosa ao ver um flash ser disparado. Depois, ao perceber que a suposta turista –uma repórter– insiste em conhecer a loja e comprar latas de carne, pede desculpas, em inglês, e lhe dá de brinde pequenas baleias de porcelana.

A reação do comerciante e seu receio às fotos reflete a polêmica existente em torno da caça científica realizada pelo Japão e que tem, como produto, a carne vendida em mercados e restaurantes japoneses.

Apesar de a moratória à caça comercial vigorar desde 1986, o Japão possui uma cota de captura científica na Antártida que atinge cerca de mil baleias por ano. O governo japonês reconhece que a atividade resulta na venda de 5.000 toneladas de carne de baleia ao ano no país.

Tsuyoshi Iwata, diretor-assistente da Divisão Oceânica da Agência de Pesca do Japão, usa vários argumentos para justificar a intenção do país de voltar a caçar comercialmente. Diz que é preciso matar animais “para pesquisa” e que a importância da carne de baleia na dieta local tende a aumentar.

“Nós temos tradição de comer carne de baleia. E, no futuro, esse uso deve ficar ainda mais importante em razão da crise mundial de alimentos”, diz Iwata, lembrando que o Japão importa muitos alimentos.

Ele diz, ainda, que só matando é possível saber o que as baleias comem (ao analisar o conteúdo do estômago) e descobrir com precisão idade e tamanho.

Matar para argumentar

Sara Holden, coordenadora internacional da campanha de Baleias do Greenpeace, ironiza esse tipo de afirmação. “O conteúdo do estômago é o mesmo de muitos anos atrás. E é possível saber aproximadamente idade e tamanho sem matar.”

Iwata, porém, afirma que, quanto mais baleias forem mortas, mais estatística haverá para provar que é viável voltar a caçar de maneira comercial.

“Em nossa opinião, não existe diferença entre carne de baleia e atum, por exemplo. É um recurso marinho que deve ser utilizado, desde que seja abundante.” Os japoneses abatem na região da Antártida até 935 baleias minke, espécie que aparece na categoria “risco menor/dependente de conservação” na lista vermelha de animais ameaçados da IUCN (União Internacional para a Conservação da Natureza).

Também estão na cota 2007/ 2008 outras 50 baleias-fin, espécie da categoria “em perigo”, e 50 jubarte, da categoria “vulnerável”. Sob pressão, o país disse que não caçaria jubartes pelo menos até o meio do ano.

Tanto ONGs quanto outros países, como o Brasil, questionam a matança. Na opinião de Bernardo Velloso, chefe da Divisão do Mar, da Antártida e do Espaço, do Ministério das Relações Exteriores, o número de baleias abatidas na caça “dita científica” não é justificável do ponto de vista técnico.

De acordo com ele, outro problema é o fato de a cota incluir “50 baleias jubarte, consideradas universalmente o símbolo da espécie em extinção”.

O Brasil, que só na década de 80 proibiu a caça, hoje defende o “uso não-letal” desses animais, como o turismo para observação de baleias, que gera lucro e está em expansão.

Mesmo assumindo considerar o abate de baleias natural, os japoneses ainda parecem sentir certo constrangimento com a ação. Leandra Gonçalves, do Greenpeace, seguiu navios na Antártida entre o final de 2007 e início deste ano. “Decidiram não caçar na nossa frente. Perseguimos a frota por duas semanas e impedimos a caça de mais de cem baleias.”

http://www1.folha.uol.com.br:80/folha/ambiente/ult10007u422252.shtml
——————————————————————————————

Como eu disse uma vez…seria bom que toda sabedoria japonesa não fosse restrita somente a terra firme !!!

Diving Science::The Book

Fala galera, blzzz ?
Desculpem a falta de atualizações no blog, porém estou numa correria danada no trampo. A notícia boa da semana é que comprei o meu computador de mergulho o Aeris Manta por $299 na Leasure Pro em NY.

Vou falar o porque da minha escolha sobre o computador num próximo post.

Nesse posto quero falar sobre outra compra que fiz, que é o livro Diving Science.
Estou organizando outros posts importantes para vir ao blog e assim que estiver com tudo em cima posto para todos vocês.
Um grande abraço e continue, visitando as outras matérias…

Esta semana comprei através da Amazon um livro sensacional para quem esta seguindo carreira no mergulho.

O livro se chama Diving Science dos autores Michael B. Strauss e Igor V. Aksenov, ambos mergulhadores e especialistas em medicina e fisiologia do mergulho.

O livro Prepara você para cada aventura submarina e seus desafios. O objetivo principal é ajuda você a antecipar, reconhecer e responder aos sinais físicos, fisiológicos e psicológicos encontrados no mergulho. Escrito por dois especialistas em fisiologia do mergulho e da medicina, esse recurso global irá ajudá-lo a gerenciar cada etapa de um mergulho, com mais segurança e com êxito. Quer você esteja na superfície ou no fundo, na descida ou subida, você saberá exatamente o que fazer e quando fazê-lo. Com informações sobre tudo, desde as manobras dos gases a primeiras respostas e intervenções para problemas médicos.

Para conhecer um pouco mais sobre o livro, visite o link na amazon.

Ou se você preferir dar uma olhada dentro do livro, visite este link.

Grande Abraço a todos, até+

CANAL DE PERGUNTAS DA DAN.

Fala galera, blzz ?
Não achei que seria tão rápido mas como sempre o pessoal da DAN foi super atencioso e nos respondeu com muita rapidez.
A partir de agora quaisquer questões que tenham haver com medicina, fisiologia e mergulho vocêS podem ENVIAR para o email rafael@redblackdivers.com e eu estarei repassando para o pessoal da DAN.
Mas o que podemos perguntar ?
Tudo, qualquer dúvida, desde se aquele probleminha no ouvido que você teve na piscina em 1983 pode ser um problema para você mergulhar hoje até se alguem com paralisia pode mergulhar.
Perguntem tudo o que quiserem porque médicos da DAN irão responder com todo o cuidado a atenção possível.

Se você não conhece a DAN ou quer saber mais sobre seus serviços, acesse o site: www.DiversAlertNetwork.org/membership/

Sempre que vocês verem este selo no começo do post:
Significa que este vai ser um post aonde estarão as respostas feitas pela DAN para cada pergunta. As perguntas serão devidamente identificadas com nome de cada autor.
Espero que este serviço facilite muito a resolução de dúvidas de todos vocês e os deixem o mais confiante possível para mergulharem sem nenhum problema.
Então é isso galera, a partir de agora é resolver as suas dúvidas com relação a medicina e aos cuidados do mergulho e bora mergulhar. Gostaria de Agradecer demais a Patricia Caetano da DAN que me deu dicas de como divulgar mais os serviços.

Um grande abraço a todos, bons mergulhos e façam suas perguntas.

ÁLCOOL X MERGULHO

O Álcool e o mergulho.

 Era um dia de férias comum de alguns amigos, foi uma festa no paraíso. Um pequeno grupo de mergulhadores estava fazendo folia na noite anterior de um curso avançado em French Pass localizado na Nova Zelândia. Um lugar mágico, com focas, golfinhos e espetacular pôr-do-sol.
As festividades foram realizadas até por volta da meia-noite, com muita alegria e alguns tragos, mas ninguém havia bebido demais, apenas o normal. Na manhã seguinte, tudo estava em seu curso até que a maré virou para o pior. O curso começou forte e os três mergulhadores mal preparados foram arrastados perigosamente em um bolsão de águas profundas. Dois corpos foram recuperados; um nunca foi encontrado.
O veredicto final: US$ 75.000 de multa cobrada sobre o centro de mergulho por não ter feito um alerta severo sobre os perigos de beber e mergulhar.

 

 “A natureza imprevisível do mergulho é onde reside o risco real”, diz o mergulhador e médico MD, Ph.D Fred Bove. “Incapacidade mental tem sido demonstrada com muito pouco álcool concentrado no sangue, cerca de 0,01 – que é menos do que um drinque comum; certamente, alguns que bebem pesado na noite anterior ainda têm álcool em seus sistemas na manhã seguinte, mas com certeza você não vai sentir-se prejudicado ou nem ao menos perceber isso”. A questão é que seu organismo não será testado na superfície, quando o mar estiver calmo e as condições ideais. “Ele será realmente testado quando você estiver em uma situação de risco lá embaixo, é ai que as coisas podem tornar-se criticas.” É por isso, diz o Dr. Bove, que 40 por cento dos acidentes fatais estão relacionados com o álcool. É também por isso que as entidades estão apertando o cerco e executando operações para uma política que diz: “Sua primeira bebida pode coincidir com o seu último mergulho.”

 

No entanto, existem ainda muitos “DiveBars” no melhor estilo mergulhadores que insistem em uma cerveja antes, durante e após os seus mergulhos. Veja que eles estão arriscando-se a cada mergulho. E o problema não é somente esse, além de arriscarem-se, arriscam as pessoas que estão mergulhando com eles, pois com certeza alguém vai querer ajudá-los em um momento crítico.

A responsabilidade.

Cientificamente, o maior risco de problema no mergulho é a deterioração do funcionamento do córtex (ACC), o centro de seu cérebro que normalmente detecta quando você fez um erro. Este erro de vigilância mental também conhecido como o “erro de resposta oops” faz com que seu sistema pare de funcionar corretamente após uma ou duas bebidas (cerca de 0,04 por cento de álcool), um nível que surpreendeu até mesmo os funcionários de investigação, diz o pesquisador da Universidade de Amesterdam  Richard Ridderinkhof, Ph.D. “Você simplesmente deixou de perceber que havia cometido um erro. Além do mais, uma vez que você tenha feito algo errado, um cérebro funcionando normalmente irá reconhecer o problema e irá ajustar o erro para que você não o faça novamente. Este pós-ajustamento do erro praticamente desapareceu após ingestão de álcool, mesmo em quantidades moderadas”, diz o Dr. Ridderinkhof. Então, se você desviou-se do seu plano de mergulho, seu cérebro não irá levantar uma bandeira vermelha, marcando assim sua visita à câmara hiperbárica ou pior.
O álcool impede quase todos os reflexos e reações que você precisa para mergulhar com segurança. Mesmo antes de a Heineken desencadear seu efeito em seu cérebro, você já estará com reflexos e reações mais lentas (opa, não irá significar que você bateu em um coral), monitoramento visual mais pobre (Aonde mesmo marquei como referência?), Redução da atenção (onde foi o barco?), e terá menos capacidade de coordenar várias tarefas (uh, inflar BC, regulador claro, verifique computador, oh, a minha cabeça… Droga, estou perdido).
Dada a confusão em seu cérebro, não é surpreendente que as pesquisas mostram que as pessoas que estão bebendo têm uma taxa de 55 por cento de prejuízo contra apenas 24 por cento dos “non-drinkers”. As conseqüências de uma noite na fanfarronice são igualmente preocupantes. As pesquisas mostram que se reduz para 11% a habilidade atlética do “suicida”.

“As pessoas cometem o erro de pensar que mergulho não é um esporte”, diz a mergulhadora Mary Ann Everhart-McDonald, MD “Mas quando você considera a energia que leva a nadar contra a corrente e realizar pesados movimentos para subir escadas, é um grande esforço e de muita intensidade tanto quanto qualquer esporte. Estar embriagado ou ter ingerido bebida reduz sua capacidade de exercício, colocando você e todos os mergulhadores em sua volta em risco. “

Quem bebe sabe que com certeza irá passar boa parte do tempo no banheiro. O álcool é um diurético. Para nós mergulhadores isso terá um outro significado, desidratação. “Desidratação não só torna mais rápido sua fadiga, mas também diminui a quantidade de sangue disponível para trocas gasosas e deixa a remoção de nitrogênio mais lenta em seu organismo, colocando você em um risco acrescido de doença descompressiva”, afirma o Dr. Everhart-McDonald. (Para entender melhor esta afirmação, leia o post anterior deste blog que trata sobre desidratação) O álcool também é um depressor do sistema nervoso central, de modo que você vai estar menos sensível a possíveis dores de uma pancada na escada ou até mesmo menos sensível aos sintomas da doença descompressiva como dores nas articulações, náuseas, fadiga, dor de cabeça e confusão.

“A desidratação, fadiga e falta de julgamento faz com que tudo no mergulho se torne tão perigoso como se você estivesse embriagado debaixo de água ou mesmo dirigindo o seu carro”, diz o Dr. Everhart-McDonald.

 

Coquetel perfeito para problemas. 
Você pode ter uma porção de problemas que nunca imaginou embaixo da água somente por ter bebido ou abusado da bebida em seus dias de mergulho, veja abaixo algumas considerações perigosas da mistura ÁLCOOL E MERGULHO.

 Doenças cardíacas.
O álcool aumenta o risco de isquemia miocárdica, uma condição em que o fluxo sanguíneo para o coração é restrito parando assim sua alimentação de oxigênio e nutrientes vitais. Quando o fluxo sanguíneo é completamente bloqueado, a isquemia pode se tornar um ataque cardíaco sem nenhum sinal de advertência. “Na água e mergulhando faz com que o coração comece a trabalhar mais”, diz o Dr. Bove. “Se você também tem colesterol elevado ou hipertensão ligeira – e vai enfrentá-lo como muitos mergulhadores fazem – você pode facilmente colocar-se em risco de um ataque cardíaco, principalmente se beber também durante a seus mergulhos.” Além do mais, a investigação mostra que basta estar com pouco álcool no sangue para elevar o seu risco de morte cardíaca.

Hipotermia.
O álcool desempenha truques engraçados na sua mente. Além de permitir que você pense ser o Pelé, bebida também faz você pensar que está mais quente do que você esta na realidade. “Beber faz seu cérebro pensar que você está sobre aquecido (agora sei da onde vinha aquela idéia de que bêbado não sente frio), de modo que dilata os vasos sanguíneos na sua pele, causando-lhe a perda uma grande quantidade de calor”, diz o Dr. Bove. “Tudo bem se você estiver pendurado para fora do bar e de cuecas com seus amigos rindo de você, mas não é se você estiver mergulhando a 30 minutos na água de 17 graus.” Agora você está em risco não só para a Hipotermia – perigosamente reduzindo a temperatura corporal – mas você é também estará aumentando um risco problemas  de DD, uma vez que hipotermia diminui o fluxo sanguíneo para o suas extremidades, retardando a remoção de nitrogênio do seu corpo.

Hipoglicemia.
O seu fígado libera menos glicose quando você bebe, aumentando o risco de hipoglicemia, ou baixo teor de açúcar no sangue, fazendo você sentir-se fraco, sonolento, confuso, tonturas e fome – um monte de sintomas que podem colocar em perigo o melhor mergulhador. “Claramente, a melhor regra a seguir é um princípio da tolerância zero”, diz o Dr. Bove. “Não deve haver álcool no dia que você for mergulhar. E se você foi à noite anterior para a gandaia, despertar e não sentir-se 100%, esqueça o mergulho. O oceano estará sempre lá. Mergulhar com esses riscos não vale apena”

 

Uma receita para festas.
Você sabe os perigos do mergulho sob a influência do álcool, mas este é o seu período de férias. Então veja como tudo deve funcionar quando rolar álcool neste período.


Dormir cedo.

Se você tem um mergulho às 8 horas da matina, você deve ir dormir antes da meia noite para descansar o necessário para o seu corpo. Caso você não consiga, pule o mergulho da manhã e faça-o a tarde.


Mix de bebidas.

Limite as suas bebidas na noite anterior para apenas dois ou três copos ou drinks. E entre eles, beba um copo de água ou suco natural, principalmente se você passar o número de 2 ou 3 copos, mas nunca permita-se ficar bêbado ou levemente alterado, se ficar, pule o mergulho do dia seguinte.


Desidratação.

Beba bastante água ou bebidas desportivas (somente gatorade) na manhã de seu mergulho para garantir que você está bem hidratado. 

Algo para comer.
Não beba ou mergulhe com o estômago vazio. Tenha um bom jantar antes de sua festa para abrandar o fluxo de álcool em seu sistema e tenha um pequeno-almoço saudável, para que você tenha abundância de energia para os próximos dias.

 

Siga essas regras e o resultado será sempre muita alegria, risadas e diversão.
Bons mergulhos a todos.
Fonte: DAN, médicos e instituições relacionadas no artigo.

 

 

 

 

 

Desidratação…Cuidados

Sol quente. Mar perfeito. Brisa no rosto. Pode haver um mar azul a sua frente por toda parte, porém, se você não se cuidar, pode dizer adeus a tudo isso assim que chegar ao seu ponto de mergulho. Todas as maravilhas de mergulho tropical podem deixar você tão seco como uma fatia de carne de sol…no sol. 

Desidratação durante o mergulho não é apenas desagradável, pode ser perigoso. “Para cada quilo de suor” que você perde, a sua freqüência cardíaca aumenta cerca de oito batimentos por minuto, o seu débito cardíaco ou o quanto o seu coração bomba de sangue para o corpo, cai um litro por minuto, o seu corpo pode perder calor rapidamente durante este estado, “Diz Molly Kimball, nutricionista desportivo da Ochsner Clinic’s Elmwood Fitness Center, em Nova Orleans”. Menos volume sanguíneo equivale a menos do fluxo sanguíneo para os músculos e tecidos. Você não só se cansa mais rapidamente, mas você elimina nitrogênio mais lentamente, aumentando seu risco para a doença descompressiva. Desidratação também faz você ficar atordoado ou bobo, diz Bob Moon, um biólogo de Denver que pesquisa os efeitos da desidratação em militares dos EUA. “Tenho visto navegadores profissionais perderem a capacidade de executar as competências básicas com cinco a seis por cento de desidratação, e depois vai embora a capacidade mental e motora, vem o pânico”, diz ele. Aumentando assim a possibilidade de erro, narcose ou qualquer outro tipo de problema possível durante o mergulho. 

Água, para todos.
Durante o mergulho, fluidos fogem do seu corpo de quase todas as maneiras imagináveis. Para começar, sem a umidade do ar em seu cilindro para proteger o seu equipamento de corrosão, a cada vez que você inalar o ar árido do seu regulador, você perde o dobro de umidade a partir de sua garganta e os pulmões para fazer com que o ar chegue úmido e normal para o seu consumo.

Quando você mergulha cria uma situação denominada imersão diurese – também conhecido como o desejo de urinar. Imersão, especialmente na água que é mais fria do que o ar, provoca estreitamento dos vasos sanguíneos nos seus braços e pernas, enviando mais sangue de volta para o núcleo do seu corpo. Seu corpo registra toda esta corrida de sangue para o órgão central como uma sobrecarga de fluidos, de modo que os rins aumentam sua produção de urina em seu corpo.

Por último, o esforço do mergulho nos seca. Locomover-se debaixo da água, raciocinar, tirar fotos, ou apenas ficar observando cansa o nosso corpo como não imaginamos, fora isso, ainda nadamos contra correntes, passamos tardes quentes de sol e tudo isso e muitos outros fatores combinados faz o corpo perder muita água.

Hidratando nossa máquina antes do mergulho.
A maneira mais óbvia de permanecer bem-hidratado é bebendo água muitas vezes ao dia. Alguns mergulhadores intencionalmente evitam beber liquido demais com medo de ter de urinar nos seus trajes de mergulho. Mas cuidado, você pode estar criando um quadro de desidratação. “Considere beber pelo menos metade do seu peso corporal por dia algo em média de oito copos por dia para uma mulher e 10 para um homem de pesos considerados normais, tudo isso Nos dias que antecedem o seu mergulho “, diz Kimball, que recomenda inclusive bebidas desportivas para substituir os minerais e outros nutrientes que perdemos no mergulho. De preferência ao Gatorade e não para bebidas como redbull entre outros, pois contém cafeína o que desidrata o corpo.

 

Pegue leve no álcool>
O álcool é um diurético que suprime a liberação de um hormônio que ajuda o seu organismo reter fluidos. Apesar de beber pouco na noite anterior é legal você ter precauções e tomar um copo de água junto com cada bebida alcoólica, e melhor ainda se o bar fechar para você depois de duas bebidas.

 

Cuidado com a cafeína>
Cafeína não é o demônio diurético muito como é acusado de ser, mas, pelo incentiva a perda de fluidos pelo corpo, portanto, seria inteligente demais não beber. Apenas um copo pela manhã.

 

Mantenha sua temperatura estável>
Fica frio ou quente demais faz com que o seu corpo trabalhe mais para manter sua temperatura normal e com isso você além de se cansar mais, perde mais líquido, use um capuz quando a água estiver muito fria. A bordo do barco, mantenha-se aquecido e confortável.

 

Diga Sim aos carboidratos>
Mandar aquele bife com ovos na manhã do seu mergulho não é bacana se você faz musculação, esqueçam tomar o Whein Protein, proteínas são alimentos que exigem mais energia e água para digerir. Carboidratos, como pães, cereais e grãos, são digestivos e utilizam menos energia ajudando a manter os fluidos corporais em dia.

 

Vá pela sombra>
Não é nenhum segredo que o sol suga umidade. Proteja-se contra os efeitos do sol e vento, prefira ficar na sombra, quando possível, e usando filtro solar, roupas soltas e quem sabe um vasto chapéu de Mexicano na cuca.

 

Escolha frutas suculentas>
Quando abastecer antes de um mergulho, inclua lotes de alimentos com muita água como laranjas, melões e outras frutas tropicais.

 

Cuidado com o vomitão>
Uma seqüência de galopes do barco e você enjoado pode deixar suas águas em níveis perigosamente baixos e/ou se você estiver em condições tropicais extremas, certifique-se de substituir os seus minerais perdidos e essenciais que o seu organismo necessita para funcionar corretamente. “Uma bebida esportiva como Gatorade é uma boa maneira de substituir sódio e outros minerais”, diz Kimball. “Ou se não tiver gatorade, diluir sumo da fruta pode ajudar também”.

Fonte: Médicos citados na matéria e pesquisas da DAN.

 

 

 

FUMAR X MERGULHAR

Cigarros têm causado advertências por mais de 30 anos. Se você é um clássico fumante do dia a dia, você provavelmente sabe que “fumar provoca “N” problemas do pulmão, doenças do coração, enfisema, e pode complicar a gravidez” Você sabe que não é bom para você. Mas o que você pode não saber como é que é especialmente ruim para o seu mergulho.
Pesquisadores DAN recentemente têm revisto 4350 casos de descompressão e doenças que foram relatadas durante um período de oito anos, comparando a gravidade dos sintomas entre os não fumantes, fumantes leves e fumantes pesados. Eles descobriram que em fumantes pesados existe mais probabilidade de ter problemas graves, em comparação com não fumantes, e ambos os fumantes pesados e leves foram mais susceptíveis de ter sintomas moderados e graves do que não fumantes que tendem a ter casos mais leves do DD. Em resumo, se você é um fumante, você terá mais probabilidade de ter um eventual problema neurológico grave ou casos de dores articulares e problemas na pele.

O X da questão.
Fumar também desencadeia uma cascata de eventos cardiovasculares que são perigosos para você e potencialmente mortal, quando combinado com o stress do mergulho, afirma Fernando Roth MD, um cardiologista e ocasional mergulhador de Pasadena, na Califórnia

O cigarro provoca vaso constrição, um temporário estreitamento dos vasos sanguíneos, e aterosclerose, rigidez e estreitamento permanente que torna a sua pressão arterial um cavalo galopante. Ele também provoca ativação plaquetária (coagulação do sangue), que engrossa o seu sangue, tornando ainda mais difícil a circulação. Por último, a fumaça do cigarro contém monóxido de carbono, que se liga aos seus glóbulos vermelhos, ocupando o espaço que deveria ser ocupado pelo seu organismo que necessita desesperadamente de oxigênio, e já está lutando para obter através de suas artérias. Mergulhe e estará sobrecarregando o coração e colocando-o em uma fria, vá para águas mais profundas estará definido o cenário para um ataque cardíaco. “Eu não ofereço o meu cartão de visita para qualquer mergulhador que fuma, pois ele acabará precisando, se ele sobreviver”, afirma Roth.

A grande troca de gás.
Mesmo que o seu coração sobreviva ao stress do seu tabagismo, seus pulmões não podem. Se você pudesse abrir o seu peito veria dois pares de esponja por dentro que expandem conforme você respira. Esses são os seus pulmões, e sua principal missão é respirar o melhor oxigênio do ar e expulsar o dióxido de carbono dos resíduos a partir dsua celulas. Essa troca acontece nos alvéolos que são essenciais.

“Fumar prejudica os alvéolos, provocando uma pequena janela e assim os  torna grande e com finas paredes, o que reduz a sua capacidade de troca de gases”, explica Paul Davenport, Ph.D., pesquisador pulmonar e professor da Universidade da Flórida em Gainesville . “Depois que alvéolos foram destruídos, você não pode simplesmente criar mais alvéolos. Os pulmões com o tempo vão perdendo eslaticidade e não mais inflam” Este ponto é chamado de enfisema pulmonar, você pode ter e não saber. É aí que reside o perigo.

Com o pulmão e sua estrutura destruída, o ar pode ficar retido nos alvéolos causando distensão e aumentando o risco de barotrauma pulmonar arterial e embolia gasosa, diz o médico DAN Jim Caruso, MD “Tenho visto em fumantes pulmões de forma rígida e danificadas, eu estou espantado que eles ainda sejam capazes de fazer a troca de gás”, diz ele.

O que eleva a discussão da descompressão é: “A ciência do mergulho é construída em torno da troca gasosa, e muito fumo interfere nesta troca”, diz Caruso. Mais concretamente, a fumaça do cigarro contém monóxido de carbono, que, como falei anteriormente, vincula aos seus glóbulos vermelhos por isso eles são menos eficazes em transportar oxigênio para os tecidos do corpo. Os níveis de monóxido de carbono dos fumantes pesados podem ser tão altos, maior que 10 por cento, ou seja, 10 por cento de seu oxigênio é deslocado por monóxido de carbono, comparado a apenas 2 por cento entre os não fumantes. Sem uma saudável troca gasosa, você estará em risco, aumentando a possibilidade de narcose, problema em uma descompressão e dores de cabeça latejante.

 

 


Fumantes produzem mais muco.
A Fumaça do cigarro paralisa o Cílio (poucos cabelos que agem como filtros para limpar a sujeira, poeira e muco de seus seios nasais), o ar que você recebe em suas vias respiratórias é de péssima qualidade. Pior, o tabagismo agrava suas vias respiratórias, por isso o seu corpo produz mais muco do que é normal. A única maneira de limpá-la para fora é a tossindo.
Todo este muco não só torna mais difícil e equalização como aumenta sua susceptibilidade a problemas no ouvido, seios nasais e outros, mas todas aquelas coisas pegajosas na sua via respiratória aumentam a probabilidade de você desenvolver um muco-plug – um bloqueio em seus tubos-broquicos. O gás aprisionado além do bloqueio aumenta ainda mais o risco do fumante romper o pulmão ou desenvolver uma embolia arterial de gás durante a subida, mesmo se você estiver respirando normalmente e continuamente a todo o momento.

Abandonar tabagismo pode ser difícil.
As maiores partes das pessoas tentam sair do hábito cerca de meia dúzia de vezes antes de finalmente parar. A boa notícia é que os novos sistemas de cessação de tabagismo ajudam a sair da nicotina, sem problemas graves.

A substituição Nicotina, sob a forma de patches, goma, spray nasal e ou inaladores podem proporcionar um fluxo constante de nicotina ou de um “sossego” rápido quando seus “problemas de vicio” forem muito intenso. Estudos mostram que esses produtos duplicam suas chances de sucesso na tentativa de para de fumar. Para o teimoso vício, alguns médicos podem igualmente prescrever um remédio chamado Zyban, um anti-tabaco droga que ajuda a dominar a abstinência da nicotina.

Embora não exista nenhum problema relatado, você deve ter cuidado com planejamento mergulhos enquanto atravessar o seu período de abandono. O seu corpo realmente produz mais muco durante a primeira semana ou mais após o seu último cigarro, o seu corpo vai entrar em um processo de overdrive para limpar os restos de muco a mais existente. Então você poderá estar em um risco ainda maior para os problemas descritos acima.

Se você optar por usar um sistema de substituição de nicotina, você ainda pode ter um risco aumentado de um ataque cardíaco ou outro evento cardiovascular, pois, de qualquer forma nicotina provoca vaso constrição. Você deve avaliar o seu risco com o seu médico. Se você precisas de Zyban ou outro remédio e ai vale uma consultado seu médico, é melhor você não mergulhar até que você esteja fora de seu vicio, porque o remédio pode causar tonturas e também aumenta o risco de uma apreensão ou até mesmo perda de consciência, que pode ser desastroso durante um mergulho.

Por fim, você quer ir para seus mergulhos com calma e presença de espírito, e não com problemas de stress por conta da nicotina em excesso ou falta. Se você for corajoso, tente um procedimento para parar de fumar, os sintomas são mais intensos durante as primeiras duas a três semanas depois passam, é como ir academia, nas primeiras semanas, tudo dói, porém depois você sente-se muito melhor. Se você usar a substituição da nicotina com produtos, você provavelmente deve dar um tempo de oito a 12 semanas antes de começar a pensar em voltar ao mergulho. Por isso, permita-se um tempo para sair do hábito e limpar o seu pulmão e ter sua mente calma antes de fazer o seu próximo mergulho. Lembre-se, esse tempo você pode não ter caso continue fumando.
De qualquer modo, visite regularmente o seu médico e fale sempre sobre seus mergulhos e o fumo.

 

Não seja um Cabeção.
Se você fuma e não pode esperar até que você esteja fora do barco para acender, nós lhe pouparemos a palestra médica. Mas, por favor seja compreensivo. Siga estas regras básicas de etiqueta:

Fique no vento. O espaço é um premio na maioria dos barcos de mergulho. Se você for fumar, você deve levar a bronca agora: encontre um local hiper-ventilado no canto do barco, ao ar livre e longe dos outros, tanto quanto possível. Só porque você fuma, não significa que o resto de nós deveria fumar também.

Desfaça-se dos seus cigarros corretamente. Quando estiver terminado de fumar, coloque seus restos em uma lixeira ou leve para casa. De acordo com a Ocean Conservancy, restos de cigarro são um dos tops de sujeira mais comuns em detritos marinhos. Durante 2006 a International Coastal Cleanup e seus voluntários recolheram 1,901,519 deles. Você pode ser parte do problema.

 

 

 

Fonte: DAN – Dive Alert Network

 

 

 

 

 COMENTÁRIOS NO ORKUT:

Vou postar aqui o comentário do amigo Alberto no orkut.
“Um tanto superficial.Recomendo assistir(impossivel, pelo tamanho, por streaming)gratuitamente em DVD/PC,o DAN 2008 Technical Diving conference,q trata sobre o aumento da PCO²,densidade dos gases e sua relação c DD,a própria morte por intoxicação etc.CO² n é monóxido,mas o fumo reduz a superficie de troca gasosa no alvéolo.Num dos painéis é demonstrado q a 30m de profundidade a resistencia ,devido à densidade do gás,dobra,aumentando o trabalho respiratório. ”

Assitam o DVD recomendado pelo nosso amigo, aproveitando ainda que é gratuito.
No dvd vc vai encontrar informações mais profundas e tecnicas sobre os problemas do cigarro no mergulho.
Grande abraço a todos e bons mergulhos