Um alerta para Instrutores de Mergulho

Um texto que serve como dica para todos os amigos mergulhadores, sejam profissionais ou não, vale a pena ficar atento.

Um alerta para Instrutores de Mergulho
 
Os incidentes aqui descritos são reais. Os nomes das localidades e das pessoas foram alterados ou apagados.

Maria, uma professora de meia-idade, foi certificada como mergulhadora a muitos anos, porém durante este tempo fez muito pouco mergulho. Seu namorado, George, foi certificado em sala de aula como mergulhador de águas abertas, no dia do seu checkout Maria acompanhou o namorado afim de mergulhar enquanto ele fazia os treinamentos básicos. O local de mergulho era excelente e calmo, protegido de ondas e o tempo garantia tranqüilidade e águas quentes.

Maria foi para o local sem uma dupla qualificada, estava com ela apenas seu namorado que estaria ocupado com os exercícios. George e dois instrutores, Fred e Sally, disseram-lhe que era necessário para ela mergulhar encontrar um amigo. Os dois instrutores disseram que não poderiam esta com ela, pois estariam ocupados com os alunos e a primeira obrigação dos instrutores era a certificação dos alunos. Uma dupla de mergulhadores certificados ofereceu companhia a ela, mas Maria recusou a oferta. Durante o briefing, o capitão do barco perguntou a todos os mergulhadores se precisavam de uma dupla, Maria não respondeu.

O Mergulho.
Fred entrou na água e foi para o fundo de esperar que os alunos, ao mesmo tempo em que Sally supervisionava a entrada dos mesmos. Quando todos estavam na água, desceram e juntaram-se a Fred. Durante 30Min executaram sem problemas todos os exercícios básicos.
Mary aparentemente entrou na água por conta e risco e com a intenção de juntar-se ao grupo para assistir o exercício. No final do mergulho de treinamento foi descoberto que ela estava desparecida. Após cerca de 90 minutos de busca, foi encontrada nas proximidades  do local e no fundo, em águas rasas, o seu tanque estava quase completo, máscara em torno de seu pescoço e pouco ou nenhum ar em seu BC. Observou-se também que ela estava absolutamente com excesso de lastro.

Final e Ação Legal
A família de Maria processou o dono do barco, os instrutores e a loja de mergulho que patrocinou o passeio. As acusações incluíam:
1) A incapacidade de redistribuir os mergulhadores e formar duplas ou grupos.
2) A incapacidade de fiscalização de todos os profissionais.
3) A falta de cuidado e consideração por todos os mergulhadores.
4) A falha na busca e salvamento (rescue).

Um júri considerou os instrutores responsáveis por 50 por cento da morte de Maria e a própria Maria 50 por cento responsável.

Entre as coisas que complicaram o julgamento estão:

O dono do barco de mergulho foi completamente inocentado, pois Maria assinou um termo que isentava o barco e seu dono em caso de qualquer acidente. Para os instrutores havia um documento parecido onde Maria deveria assinar, mas não foi assinado por ela.

Diante da não assinatura deste documento, o juiz não permitiu que fosse evidência o fato de que Maria tinha sofrido tratamento psiquiátrico, utilizava medicação e estava propensa a entrar em pânico.

Mergulhadores especialistas ouvidos no caso afirmaram que é possível e necessário que todos os instrutores envolvidos em uma operação estejam sempre em alerta (checando por sinais ou verbalmente) a condição de posição de todos os alunos. Antes de descerem e iniciarem o treinamento deveria ter olhado ao redor e no barco para certificarem-se de que não havia ninguém na água sozinho e/ou com problemas e só então iniciarem a descida.

Em virtude disso a defesa foi incapaz de convencer o júri que o afogamento foi à causa da morte, e não a causa do acidente.
Muito provável que Maria estava (através de um médico) inapropriada para mergulho e que uma arritmia levou à sua morte.

Casos como esses deixam claro duas coisas:
1) Simples erros como o de não preenchimento adequado de termos de responsabilidade e checagem de condições de mergulho do aluno podem fazer como que um caso seja totalmente levado contra o instrutor.

2) Que não se deve permitir mergulhos de turismo durante um curso, a menos que existe número de instrutores e divemaster suficientes para isso.
E também que o instrutor deve fazer com que cada mergulhador assine um regulamento comprometendo-o a seguir todo o plano de mergulho dado em briefing, removendo qualquer culpa do instrutor caso o mergulhador siga de forma negligente.

Lições para a Vida
Você deve mergulhar somente quando clinicamente, fisicamente, mentalmente e emocionalmente apto.

Se você escolher a mergulhar por si só, deve assumir a responsabilidade por si próprio, ser auto-suficiente. Saiba que se você tiver uma emergência médica enquanto que por si só, não haverá ninguém para ajudar você.

Caso você tenha uma urgência que não pode ser resolvido debaixo da
água, volte para a superfície e peça por ajuda.

Mergulho é muito mais fácil e mais seguro se você ajustar seus pesos e equipamentos antes de iniciá-lo e sempre em dupla ou grupo.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: